[redes de carência]

Redes sociais, por definição, surgiram para aproximar pessoas. Através de gostos, desejos, sonhos, fotos, amigos esquecidos e lembrados, elas ajudam aqueles que precisam demonstrar que fazem parte de um contexto, seja musical, gamístico, literário ou mesmo de fetiches sexuais estranhos.

Ao fazer com que você perceba que não está sozinho por amar aquele filme trash da década de 80 ou mesmo dar voz à todos os comentários de todas as pessoas que tem um computador ligado à internet nas mãos, ela une e causa impressão de que não estamos mais sozinhos. Verdade? Em parte. Quem levanta a bandeira da necessidade das redes sempre justifica sua posição com alusões à vida atribulada que se leva hoje.

Como falta tempo para tudo, podemos nos manter perto de quem gostamos mais pela internet que pela vida real. O problema é que a desculpa se torna maior que a vontade de fazer um esforço para ver quem se ama. Daí que todas as frustrações dos relacionamentos vivos são transportados para a o mundo virtual e a importância das redes sociais fica maior do que deveria. “Mas sobre o que esse cara tá falando?”. Estou falando daquele seu conhecido que ficou com ódio de você quando descobriu que não estava entre seus amigos do orkut.

Falo daquela mocinha que adiciona todos os desconhecidos possíveis no Facebook, para aparentar aos outros que tem mais gente no seu perfil e, assim, parecer que é popular. Também do rapazinho que, para conseguir mais seguidores no Twitter, se vale de programas que dão a ele uma fama inexistente. As carências da vida se tornam virtuais e as cobranças também. Não seguir um amigo no Twitter é falta de consideração e emitir opiniões sempre é taxado como uma tentativa de aparecer.

Provavelmente isso aconteça porque tudo na internet é muito novo. Na ânsia de não ser apenas um na multidão, busca-se a rede como válvula de escape para uma rotina que é considerada chata. E tome vídeos em situações vexatórias, fotos que mostram mais do que deveriam, comentários em páginas que extrapolam a intimidade, etc. O tal “Barraco de Sorocaba” está aí provando isso. O que é privado e público ninguém sabe mais e uma mulher revoltada com a traição da amiga vê seu problema ser discutido em rede nacional, porque achava que só os mais íntimos veriam a gravação do acerto de contas.

Twitter, Facebook, orkuts e afins são meios fantásticos, realmente, de se manter contato com quem se ama. Mas, como quase tudo na internet, são livres, sem moderação, algo que deve ser mantido assim, pois é o que faz a rede mundial de computadores ser o que é. Por isso, há que se tomar sempre cuidado de não confundir aquilo com a vida real e perder a noção de que entre amizade verdadeira e modem há muitos bytes de distância.

[sobreviva ao hype]

No último domingo, mesmo com todos os dentes de Gorete (a feia que virou mais ou menos, do Pânico na TV) sendo mostrados ao vivo, uma galera gigantesca deixava as questões dentárias de lado e sofria com um streaming lento, lotado e, mesmo assim, adorado. Era o fim da era Lost, o seriado que há seis temporadas manteve uma legião de fãs malucos, que se desdobraram na tentativa de linkar todos as pistas deixadas pelo criador da série, J. J Abrams.

Daí você pensa: lá vem mais um cara falar dessa série que eu não vi. E eu digo: BATE AQUI, MERMÃO! Mesmo considerando J. J. Abrams um dos novos totems do entretenimento global, sendo viciado nessa coisa toda de ficar tentando achar agulhas em palheiros e, claro, um nerd de carteirinha, consegui sobreviver à era Lost incólume. Sei quem é Jack, Sawyer e até Locke, e já vi umas fotinhas da ilha e do avião todo destruído. Mas, apesar de todo o hype envolvido no seriado, a escolha de fugir dele deu certo. E nem chorei no domingo.

Para mim, hype é tudo aquilo que consegue angariar uma legião de fãs sem muito esforço. Pode ser bom, pode ser ruim, pode não ser nem bom nem ruim. Mas, de alguma forma, quando surge, faz as pessoas acreditarem que nada depois daquilo vai ser do mesmo jeito. Foi assim com a banda Strokes, por exemplo, que, taxada de salvação do rock em seu primeiro disco, teve no seu terceiro a crença de que quem precisava ser salvo era a turma de Julian Casanblancas.

Hoje em dia, em que bandas de rock, novidades tecnológicas e divas pop surgem por atacado, é fácil se pensar que o hype causa mais frustrações que o amor. Sempre existiu aquele grupo que transforma cultura pop em religião, os Jedis tão aí para provar. Mas agora, com a internet dando chance à todo mundo que tem talento, qualquer oportunidade que um produtor enxerga de espremer a laranja da qualidade do trabalho alheio é feita sem dó.

O lance não é a aparição dos talentos, mesmo que o egoísmo de muita gente sinta ódio eterno da internet. O que acho um problema é justamente a exploração de talentos que ainda não estão prontos, simplesmente com a exposição extrema deles. Sobreviver à um hype equivale hoje à não se molhar no meio dum temporal, em um descampado, sem roupa. Ou seja, meio que difícil, não é mesmo? Lost foi além do hype e suas seis temporadas provaram que o talento não tornou-se suco e pode ser explorado de forma a criar um mito.

Mas, como ninguém aqui vive perdido em uma ilha deserta, é sempre legal não deixar se levar pelas ondinhas e tentar entender que a gente escolhe o que é bom.

Coluna Pop Machine #3

[dos medos e vícios]

Vício

Eu tenho medo de vícios, sejam eles quais forem. Nos meus quase 25 anos, procurei ter o máximo possível de experiências, fosse para entender o que é tido como proibido ou para tentar compreender se aquilo seria uma perda ou um ganho na minha história. É certo que, na maioria das vezes, elas ficam sob a máscara de algo bom, já que, pelo menos, você vai saber do que se livrou. Mas, não importa qual seja a experimentação, em todas elas tento internalizar que não vai passar a ser necessárias.

Eu tenho medo de viciados. Eu tenho medo da forma com que algo que você nunca precisou para viver se torna tão assustadoramente controlador. Seja enquanto você está bitolado com a necessidade de ter aquela experiência ou após ela ter deixado de ser necessidade, o fato é que um vício é algo insuperável, por conta da incapacidade do corpo em resistir à ilusão de prazer que ele traz. Isso vai além de álcool, drogas, cigarro. Isso engloba amor carnal, relacionamentos familiares, qualquer insinuação de posse que venha revestida de cuidado.

Tenho medo de amar demais por causa disso. Tenho medo das crenças exageradas, que por tanto tempo me fizeram pensar que eu era uma pessoa errada e que, mesmo hoje, quando tenho a mais completa certeza de que sou feliz, ainda me atormentam. E, claro, o tormento acaba sendo compartilhado. A religião não impregnou de vícios apenas meus devaneios católicos. Ela faz com que, mesmo por outros dogmas que eu desconhecia até então, minha vida seja pautada pela necessidade de vencê-los.

O exagero é palco, para tentar expurgar todo o mal causado por uma crença que jamais aceitou a felicidade da forma como eu acreditava ser a única. É a crença de que seguir as regras estabelecidas é mais importante do que tentar um sorriso sincero e que fugir delas, mesmo que não haja racionalidade alguma que as explique, faz com que até mesmo a família celebrada pelo amor dos deuses seja colocada à parte, em prol do que Eles dizem ser correto.

Às vezes me pego pensando se toda aquela vontade de ser visto, de ser notado, de ser amado, de ser aceito não vem do receio de que o “eu mesmo” nunca foi compreendido pelo que sempre fomos colocados para acreditar.  Os vícios corroem não porque ainda existem, mas porque não deixam seguir em frente. É preciso gritar contra, demonstrar total controle sobre o que é oposto ao dito como certo, quando o descontrole emocional não deixa ver que o mais simples seria entender a liberdade como uma forma de entendimento.

Não é calar-se. Não é ficar mudo e esquecer o quanto sofreu. Jamais! Se existem erros, eles precisam ser anunciados, discutidos, tratados. O que não deve existir é o vício. É a idéia de que ir contra tudo e todos é a forma de expurgar um sofrimento que, pelo menos agora, só oprime por conta do tempo perdido. Mas será que é mesmo perdido? Provavelmente não. Se há forças pra externar o que pensa, ainda há forças para garantir felicidade.

E há como ser feliz mesmo sabendo que, na maior parte da sua vida, disseram que você estava errado. Mas não estava e é nisso que temos que nos segurar. E deixar o ódio para quem não entende. Nós, por aceitarmos, já decidimos que entendemos. Pelo menos um pouco.

[estranha mania]

estranho

“A vida de Brod era uma lenta percepção de que o mundo não era pra ela, e de que – fosse por que razão fosse – ela jamais seria feliz e sincera ao mesmo tempo. Ela sentia-se transbordar, sempre produzindo e guardando mais amor dentro de si. Mas não havia libertação. Mesa, bibelô de marfim em forma de elefante, arco-íris, cebola, penteado, molusco, Shabbos, violência, cutícula, melodrama, vala, mel, paninho ornamental… Nada daquilo a comovia. Ela abordava o mundo com sinceridade, buscando algo merecedor do enorme amor que sabia ter dentro de si, mas para cada coisa teria de dizer, Eu não te amo. Mourão de certa cor de casca de árvore: eu não te amo. Poema longo demais: eu não te amo. Nada dava a sensação de ser mais do que na realidade era. Tudo era apenas coisa, completamente atolada na sua coisice.”

Tudo se ilumina

(Everything is Illuminated)

Jonathan Safran Foer

Categorizar é uma característica evolutiva dos seres humanos. Os homens pré-históricos precisavam saber que animais poderiam caçar, quais as plantas que poderiam comer e, mais à frente, o que poderia ser plantado. Às mulheres, cabia a visão geral da casa, analisando todos os riscos que estavam ao redor da cria, dividindo-os através de categorias, como alimentos a serem evitados e quais animais que poderiam matar seus filhos. 

 

Hoje ninguém caça pra comer (sem trocadilhos) e não tem nenhum tigre dentes de sabre à solta para matar a cria. Mas, ainda assim, temos a mania de colocar tudo divididozinho em nossa cabeça, seja para conseguir fazer associações de um nome à uma pessoa ou saber que dois mais dois sempre vai ser quatro. Isso é bom e necessário, mas acaba sendo um tanto limitante. Pensando de forma egoísta, categorização faz com que padrões estabelecidos sejam mais difíceis de serem mudados.

 

Por exemplo, fica bem complicado para a minha mãe entender quando digo que não tenho religião mas, ainda assim, acredito em Deus. É estranho para ela alguém ter uma crença que não está definida: não é católico, não é evangélico, não é budista e nem mórmon. Isso cria um certo transtorno de associação, já que não vai existir aquela possibilidade de me colocar em alguma categoria que, através de um nome, vai tratar de definir grande parte do que eu possa ser.

 

A complicação disso tudo ainda é maior quando se pensa que são as categorias que fazem com que ser diferente não seja considerado normal. As vantagens evolutivas esbarram na diversidade humana, não permitindo que, em muitos casos, as pessoas consigam abrir melhor o pensamento na aceitação de algo que esteja fora dos padrões que ela está direcionada a considerar como certo.

 

E em pontos que rivalizam com a própria capacidade de adaptação das pessoas, fazendo com que a interação seja dificultada e a gente deixe de conhecer melhor um bando de gente porque esse bando está fora das categorias que a nossa mente resolveu classificar como corretas. Não é querendo justificar o preconceito com ciência, até porque isso soa como eugenia.

 

Mas é inegável que fica mais fácil viver quando se consegue estabelecer quem é quem na nossa cabeça. Fulano é empresário, gosta de futebol aos domingos e é flamenguista, além de ser do grupo de homens da igreja. Beltrana trabalha com artes plásticas, tem um namorado com quem vive, mas não é casada e cozinha todos os domingos para a mãe.

 

É preciso que a gente olhe para a pessoa e coloque-a nessas linhas, nesses espaços que vão ser preenchidos e que vão, tristemente, limitar as nossas escolhas na hora de nos relacionarmos. Apesar de, obviamente, não existir obrigação alguma de se viver dando atenção para todos, quando a categorização é baseada em aspectos que ficam restritos ao que se vê e ao que se ouve, há uma perda de oportunidades. O bom mesmo é ter as suas categorias mas que elas não sejam um empecilho para o desconhecido. Se ele não agradar, colocamos aquela sensação na prateleira do que não é bom. E seguimos em frente.

[ok]

“Procure me amar quando eu menos merecer. É quando eu mais preciso”

Provérbio sueco

É difícil. Mas é válido.

[7 espalhado]

punch-drunk-love-1-1024

Ela quem mandou, eu mudei algo e pus 7 porque é o número do infinito.

1. Quando você está apaixonado, volta a ter 15 anos;

2. Quando você está apaixonado, perde o medo;

3. Quando você está apaixonado pensa que futuro é algo que só se monta em dupla;

4. Quando você está apaixonado finalmente entende as músicas;

5. Quando você está apaixonado descobre o quão bom é ficar o dia inteiro dentro de casa;

6. Quando você está apaixonado entende o que leva as pessoas à se casar;

7. Quando você está apaixonado quer que seja a última vez.

[amigos imaginários, amigos necessários]

 amigo_imaginario-copia

É engraçado como tendemos a ser pessimistas. E, mais engraçado ainda, é o quanto esse pessimismo tende a surgir especialmente quando tudo parece bem. Crescemos acostumados a uma certa idéia católica [não importa a sua religião, a sociedade ocidental tem um grande ranço católico, especialmente a brasileira] de que devemos sentir culpa de tudo o que fazemos fora daquelas idéias de caminho correto que as religiões estipulam.

 

Eu fui uma criança extremamente atormentada porque, desde sempre, tenho desejos e idéias que destoavam daquilo que, biblicamente, seria o certo a se fazer. E aqui não estou dizendo que era um prodígio, que ficava discutindo o sexo dos anjos na hora do recreio, longe disso. Aliás, seria até melhor se fosse assim. Eu era apenas um garoto medroso, que acreditava em inferno e, mais ainda, que ele começava mesmo na Terra.

 

Tive muitas atitudes que agora, em retrospecto, percebo que foram apenas naturais da idade, descobertas necessárias à qualquer ser humano. Mas, naquela época, me faziam sentir medo e culpa de forma física [cara, era dor mesmo] de um tanto que uma das minhas lembranças mais vívidas é de quando eu saia em meio aos ensaios da primeira comunhão para chorar, sentindo que não deveria receber aquele sacramento porque não era digno.

 

Ainda hoje tenho um enorme sentimento de repulsa com tudo que os crentes na fé católica me fizeram sentir e, ao mesmo tempo, não duvido que grande parte da minha índole [que, sem falsa modéstia, é completamente baseada no tal “fazer o bem sem olhar a quem”] teve os preceitos de Jesus Cristo com guias. Meu problema, claro, hoje percebo isso, não é com o que foi dito sobre ele ou com o que ele disse.

 

Na verdade, é mais em direção aquela frase do Sartre: “Não importa o que nos fizeram, o que importa é aquilo que fazemos com o que fizeram de nós”. Se tem algo que tento por tudo hoje é não reclamar tanto da educação que tive. Porque, sob a maioria dos aspectos, ela me fez ser uma pessoa que, na falta de palavra melhor, é boa. Mas, confesso, ainda é impossível para mim entrar numa igreja e não me sentir oprimido. Também mantenho dúvidas enormes sobre a minha fé e, mais ainda, sobre a necessidade dela.

 

Quando me vejo nesses momentos pessimistas, é quase instantâneo que o pensamento siga até deus [Deus?]. Mais ainda quando a sua felicidade iminente corre riscos, já que é meio raro sentir-se feliz em tempo integral. Quero chegar num ponto em que eu não precise acreditar só porque me sinto culpado de não fazê-lo. Quero poder escolher no que acreditar por ter chegado em um ponto que todos os meus traumas de infância serão superados [mesmo que aí pareça mais caso de análise do que crença].

 

Deus ainda me traz uma idéia maior de ser um amigo imaginário do que, realmente, uma força transcendental que move montanhas. Ser cético em relação à isso não me obriga a não achar que necessitamos dessa sensação de crença, seja em Deus ou em qualquer outra coisa. Crer é necessário, seja no que for. O fato de não termos como escolher isso quando nascemos é que faz com que aprendamos idéias que nos oprimem.

 

[esse texto, na verdade, era para ser um e-mail. Mas, acabou que viajei e se tornou isso. Meus traumas católicos mereciam um sem número de discussões, mais ainda com um profissional da área médica. Porém, enquanto não tenho grana para bancar, fico nessa de escrever]